O amor não é mais o mesmo? Notas sobre o casamento na contemporaneidade | Por Romilto Lopes


Por que falar de amor em tempos de liquidez nas relações? Por que nos questionar o casamento, a união a dois (para os modelos monogâmicos)? Por que falar dessa relação que cada vez mais tem se tornado instável, volátil e difícil de ser mantida a longo prazo.

Segundo dados do IBGE, entre 2004 e 2014 houve um salto de 161,4% na taxa de divórcios. Outro dado interessante é a duração média dos casamentos: 15 anos, sendo que a idade média quando ocorre a separação está entre os 43 e 44 anos, ou seja, ainda em plena atividade física, sexual e de trabalho tanto de homens quanto das mulheres. Desanimador? Não sei. Isso depende do ponto de vista de cada, as expectativas que cada um nutre em relação ao casamento. Contudo, quero pontuar alguns aspectos importantes para buscar compreender essas mudanças e as consequentes mudanças socais que ela gera.

A liberdade sexual, a importância da igualdade entre sexos, o reconhecimento das diversidades sexuais, a diminuição do número de membros na família, a entrada da mulher no mercado de trabalho entre tantos outros fatores modelaram um mudança maior na cultura brasileira, impactando diretamente na forma como nos relacionamos com nossos (as) parceiros (as). Além disso, a crescente onda do individualismo tem promovido uma cultura do indivíduo e não do grupo. Ruim? Mal? O tempo dirá…

A questão é que estamos de fato diante de mudanças significativas que abrangem o indivíduo e os laços sociais, como o casamento. Por isso, decidi apresentar o resumo das ideias de Luiz Hanns, em seu livro “A equação do casamento: o que pode (ou não) ser mudado na sua relação”. Como tudo nessa vida, essas são ideias do autor, uma visão, não são verdades supremas, mas resultado de sua prática e estudos.

Assim, aquilo que for útil para ajudar na sua relação amorosa no casamento, aproveite! Caso contrário, desconsidere.

O livro pode ser adquirido clicando aqui.

 

 

Referências

IBGE. http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2015/11/em-10-anos-taxa-de-divorcios-cresce-mais-de-160-no-pais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *