Agradar sempre: assim se inicia uma prisão


Resultado de imagem para a necessidade de agradarAmy Morin inicia o quinto capítulo citando uma frase de Lao Tzu: “Preocupe-se com o que os outros pensam, e você será sempre prisioneiro deles”. Se no capítulo dois do livro, a autora aborda a forma como os outros controlam você, nesse capítulo trata da forma como você tenta controlar a forma como os outros se sentem. Simples: se queremos agradar demais, queremos que o outro esteja sempre bem, nunca sofra – e sempre nos acolha.

“Tentar ser uma “pessoa legal” pode ter efeito contrário quando seu comportamento passa a ser uma obrigação de agradar os outros. Isso pode prejudicar muitas áreas da sua vida e impedi-lo de alcançar suas metas. Você ainda pode ser uma pessoa gentil e generosa sem precisar agradar os outros o tempo todo.”

De maneira geral, a tentativa de agradar os outros nasce da necessidade de sentir aceito pelos outros, medo do confronto e situações desconfortáveis, dificuldade de manejar conflitos. Pode ter origem também na necessidade de se sentir importante e necessário nas relações: “Sou importante porque faço as pessoas felizes”. O problema é que isso gera um desgaste emocional muito grande.

Outra característica a ser considerada é que quem procura agradar demais os outros entende isso como gesto de caridade. Por vezes, acaba com alguns ressentimentos por não se sentir reconhecido em suas ações. É a famosa frase: “Faço tanto por você e você não faz nada por mim”.

Alguns pontos a ser considerados quando sentir o impulso de agradar os outros:

  1. Preocupar-se em agradar os outros é perda de tempo
  2. As pessoas que tentam agradar os outros são facilmente manipuláveis
  3. Tudo bem se as outras pessoas se ficarem chateadas ou decepcionadas
  4. Não se pode agradar todo mundo

Praticar o comportamento assertivo é importante, isto é, deter-se aos fatos e buscar a solução para as situações de modo que ambos os lados sejam favorecidos e não apenas as outras pessoas.

Eis alguns benefícios de praticar a valorização de si:

  • Sua autoconfiança vai aumentar bastante
  • Você vai ter mais tempo e energia para se dedicar aos seus objetivos
  • Vai se sentir menos estressado
  • Vai ser capaz de construir relacionamentos mais saudáveis
  • Vai ter mais força de vontade

O QUE AJUDA:

  1. Identificar seus valores e se comportar de acordo com eles.
  2. Estar consciente de suas emoções antes de decidir dizer sim ao pedido de alguém.
  3. Dizer não quando não quiser fazer alguma coisa.
  4. Praticar a tolerância a emoções desconfortáveis relacionadas a conflitos e confrontos.
  5. Comportar-se de maneira assertiva, mesmo quando isso puder não ser bem recebido.

O QUE NÃO AJUDA:

  1. Perder de vista quem você é e quais são seus valores.
  2. Considerar apenas os sentimentos dos outros sem pensar nas suas emoções.
  3. Aceitar automaticamente um convite sem considerar se é uma boa escolha ou não.
  4. Concordar com as pessoas e fazer o que elas pedem para evitar um confronto.
  5. Ser influenciável ou se recusar a expressar opiniões que possam ir contra o que a maioria das pessoas pensa.

Para saber mais, adquira o livro clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *